quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Barranco Longo, um projecto sólido

Quando, há sensivelmente quatro anos, fui ao Terreiro do Paço para um jantar vínico que apresentava vinhos do Algarve, vou ser sincero, fui sem grandes expectativas, pois já tinha provado bastantes néctares desta região e raramente me roubavam a atenção.

Foi ainda durante o welcome drink que percebi que algo diferente se passava, e que o que estava ali, não só merecia a atenção, como me obrigava a investigar e esgravatar um pouco mais.

Foi aí que conheci o proprietário e produtor Rui Virgínia, que juntamente com os seus vinhos cativaram o meu interesse e fascínio por esta região que estava a dar os primeiros passos a caminho da afirmação.

A Quinta do Barranco Longo, situada na freguesia de Alfoz, em Silves, com sensivelmente 15 hectares, tem um terroir único, pois o solo argilo-calcário está exposto a mais de 3.000 horas de sol, ou não estivéssemos nós a falar do Algarve.
Rui Virgínia é ambicioso e tem muitas razões para isso, porque rapidamente se afirmou num mercado onde os rótulos são mais que muitos e a qualidade também.

Assim, distingue-se em dois aspectos:
1) É um vinho do Algarve e são muitos os visitantes que frequentam esta região querendo provar os produtos locais - o Barranco Longo é um deles;
2) A empresa não aposta só na produção e comercialização, sendo também um produto de enoturismo e envolvendo-se muito nas acções do turismo do Algarve, não só para fomentar o vinho da região, como também a dinamização dos produtos regionais (sejam eles vinhos, gastronomia ou hotelaria).

A equipa é jovem e cheia de garra e rapidamente passaram da produção de poucos milhares para a centena e meia de milhar, o que revela uma grande aceitação do público.

Dos poucos rótulos, já são agora 13 e a tendência é não parar.

Barranco Longo OakedRose 2008

Produzido das castas Aragonês e Touriga Nacional, descansa em carvalho americano e francês durante 3 meses, tem uma cor rosada com laivos alaranjados.

Tem aroma a frutos vermelhos com aligeiradas notas de madeira a lembrar baunilha.

É complexo, cremoso, com bom equilíbrio da acidez revelando boa persistência.

Teor Alcoólico 13%.
PVP €10.

Barranco Longo Branco Grande Escolha 2009

Das castas Arinto e Chardonnay, estagia durante 6 meses em barricas novas de carvalho americano e francês.

Apresenta uma cor citrina dourada, com um aroma muito frutado a ananás e pêssego, revelando-se na boca muito complexo, encorpado e principalmente aromático.

Teor alcoólico 13%.
PVP €10.

Barranco Longo Tinto Touriga Nacional 2007

Produzido unicamente da casta mais lusa, a Touriga Nacional, tem uma cor rubi bonita, e revela um nariz intenso a lembrar flores como a violeta, cerejas e muitos frutos do bosque.

Na boca é muito amplo com boa estrutura de taninos, longos e principalmente elegantes.

Teor alcoólico 14%.
PVP €13,5.

O Algarve já tem muitos e bons vinhos e o Rui Virgínia com o Barranco Longo é um dos grandes responsáveis desta boa reputação.

Vá ao Algarve, coma os doces, mergulhe nas praias e saboreie os vinhos.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 2 de Fevereiro de 2011

3 comentários:

Eric Kristjanson disse...

Comprei estes vinhos desde que encontrei na Garrafeira International no Principe Real. Gostei immenso e continuo a gostar, mas na verdade tive algumas experiencias com o branco e o Rose. Acontece as vezes com qualquer vinho, mas uma vez num restaurant em Armaçao de Pera, o dono do restuarant insitiu que fosse eu enganado e o vinho branco do Barranco Longo era assim (assim imbuvavel?). Continuo a compra-los porque quando são bons, são mesmo bons!

EuSouGourmet disse...

Olá Eric,
Eu realmente gosto de uma forma geral dos vinhos do Barranco Longo, e realmente não é a primeira vez que ouço que há restaurantes que depois de uma pessoa pedir um rótulo, o empregado responde com comentários negativos.
É um facto extraordinário se uma pessoa quer beber deve-se servir, poderá haver comentários, tipo recomendar um vinho mais apropriado para o prato, mas dizer que um vinho que vende é mau, é verdadeiramente uma estupidez!

Rui disse...

Caro Eric,
"Santos da casa não fazem milagres" ou "a galinha da vizinha é melhor que a minha" ditados populares que neste caso traduzem um distúrbio do foro psicológico. Vivi em Armação de Pêra até ao dia que parti para estudar na Universidade...
Obrigado pelos seus comentários ;) pode continuar a apreciar os nossos vinhos que felizmente gozam de boa saúde e recomendam-se :)
Rui Virgínia-Produtor dos vinhos Barranco Longo