quarta-feira, 12 de maio de 2010

O japonês no Porto

OJE - Lifestyle - 2010.05.12

Fotografia Fernando Guerra

Pensar que uma garagem num sub-piso do Hotel Porto Palácio se podia transformar num restaurante de referência, é quase impensável, mas aconteceu e chama-se GóShò!

A arquitectura do espaço, desenvolvida pelo japonês Haruo Morishima em parceria com a NC-arquitectos, é uma verdadeira caixa de surpresas. As salas privadas, os balcões de preparação de sushi, o balcão com a mesa de teppan envolvidos por um ambiente marcado pelas cortinas metálicas, criando um ambiente exótico e oriental.

Foi de tal forma que a prestigiada revista YearBook Arquitectura em Portugal da Workmedia não se escusou de fazer um artigo, destacando a forma criativa e arrojada que este projecto gastronómico estabeleceu com a sua arquitectura.

O projecto gastronómico conta com a consultadoria do chefe Paulo Morais para a cozinha e do Sommelier Manuel Moreira, garantindo de forma consistente, a este restaurante de cozinha asiática, o selo de qualidade.

Não consigo deixar de notar que era uma segunda-feira e o restaurante apresentava um número muito razoável de mesas cheias, as idades eram uma viagem que se iniciava nos pós-25 de Abril até à aprovação da constituição de 1933, mostrando que os restaurantes apetecíveis são para todas as idades. Dei início à viagem ao oriente, começando a minha degustação com o Ebi no Haru Maki, que são uns mini crepes Primavera com camarão e legumes (3 unidades), com um molho agridoce: fazem uma boa combinação, apesar de achar que o aviso de que eram ligeiramente picantes teria sido importante.

Seguiu-se o Yaki Hotategai, uma espetada de vieiras grelhada com ar de Eucalipto (2 unidades). Elegantemente chapeadas e depois envoltas num molho em espuma com aromas de eucalipto, uma experiência de mar terminando com uma boca muito fresca.

Sinto-me quase como a falar de vinhos, mas não vejo outra forma de explicar as sensações.
O House maki, rolo de arroz com caranguejo gigante do Alasca, rebentos de ervas, tobikko e maionese, era desinteressante e não activava nenhum ingrediente, no entanto não era desagradável.

O Sashimi Góshò, constituído por cinco fatias de pregado com um molho de azeite e alho, ligeiramente braseado, estava bom mas, no entanto, sentia-se um pouco do sabor chamuscado dado pelo maçarico.

Nos principais, optei pelo Ebi to kai, marisco do dia grelhado com sal de citrinos: neste dia era o camarão tigre, sabor e textura excelente; gostaria, porém, que a cabeça estivesse um pouco menos crua.

A Gyoza, raviolli de frango com molho citrinos (5 unidades), foi o grande vencedor da noite: agradável na boca, e o sabor perdurava agradável no palato durante bastante tempo.

Um pouco desiludido com o Yasai, legumes do dia na chapa, porque algumas peças vinham um pouco queimadas.

Terminei com a ménage à trois de chocolate, que era constituída por uma mousse de chocolate negro, financier de chocolate de leite e gelado de chocolate branco com wasabi.

Gostei, apesar de a inclusão da mostarda wasabi no gelado ser um pouco estranha, mas depois da terceira colherada fica mais agradável. Acompanhei a refeição com o rosé da casa, copo €4 e garrafa €18. A bom preço e agradável na boca, foi uma boa companhia a toda a refeição.

Ainda há menus especiais e combinados, desde sushi, sashimi a quentes, e os preços variam entre €8 no sushi vegetariano até aos €50 do menu de degustação. Está preparado para todos os gostos e carteiras. De uma forma geral, gostei do espaço e recomendo. No entanto, gostaria de ver uma carta nova, pois parece-me que esta já está a precisar de reforma.

O serviço foi sempre bom, substituindo todas as minhas exigências por uma opção válida e adequada.

Um espaço agradável, bonito, em que a cozinha é boa. Entretanto fico à espera de novidades.

Detalhes
Restaurante Góshò
Avenida da Boavista 1277 piso -1 4100-130 Porto
W 8º 38' 19,6'' N 41º 9' 33,9''
www.gosho.pt
geral@gosho.pt
+351 226 086 708
Horário: Encerra ao domingo. Aberto das 12h às 15h e das 19h30 às 23h30 (01h de quinta a sábado)
Preço Médio: €30
Tipo de Cozinha: Asiática
Cartões: MB, VISA
Notas: Parque do Hotel Porto Palácio

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 12 de Maio de 2010

4 comentários:

Santiago Maritávora disse...

apetite aberto e desperto

maloud disse...

Foi o William Ledeuil que criou o gelado de chocolate branco com wasabi. Provei-o no Ze Kitchen Gallery e é uma delícia.

EuSouGourmet disse...

E o que acho da experiência Maloud?

maloud disse...

Talvez a melhor relação qualidade/preço que encontrámos nessa pequena estadia em Paris. Dentro do mesmo género fomos ao Gaya Rive Gauche e saí sem saber muito bem o que pensar daquilo. Mais caro que o Ledeuil, com uma empregada asiática que falava um francês sem "rs" e um pretenso chefe de mesa que insistia em praticar inglês connosco. Como facilmente imagina a explicação dos pratos ficou totalmente comprometida.
Quanto ao chocolate com wasabi, sou suspeita. Na minha cozinha uso muitas vezes o piment d'Espelette no chocolate. Acho que dá um "niac" às sobremesas.