sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Finalmente é sexta-feira

Gosto muito de ir visitar os fóruns e blogues de gastronomia, mas, apesar de não ser muito activo, é daí que retiro muitas ideias e informação para o meu trabalho do dia-a-dia.

Há três que eu sigo diariamente: Nova Crítica - novacritica-vinho.com, revista dos vinhos - forum.revistadevinhos.iol.pt e mesa marcada - mesamarcada.blogs.sapo.pt.

Deparei-me com uma pergunta muito interessante num deles: Pasteleiros, será que os há? Realmente há, não são poucos e sofrem de falta de mediatismo pelo excesso de protagonismo dado aos restaurantes e chefes de cozinha.

E, com esta chuva, não há nada como ir visitar estes locais e beber um chá ou um café, acompanhado pelas suas melhores especialidades.

No Estoril, e aproveitando-me da época que se aproxima, está o Bolo-Rei da Garret. Os dias 23, 24 e 25, e novamente 5 e 6 Janeiro, são verdadeiras romarias para poder apresentar esta iguaria na mesa da Consoada ou Dia de Reis.

Em Lisboa, é comer um duchesse na Versailles e acompanhar com um chocolate quente à francesa.

A Benard, no Chiado, ganhou a sua fama com os croissants, mas, apesar da fama, eu vou lá à procura de uma tosta mista e um chá preto. Agora, se a minha vontade é comer um croissant, vou ao Careca no Restelo, pois ainda não descobri um que me agrade mais no nosso país.

Já em Sintra, há dois bolos e duas visitas obrigatórias: o travesseiro da Piriquita e as queijadas da Sapa.

A Piriquita, apesar de ter remodelado a sala, continua com a mesma traça e atrai milhares de visitantes à vila durante o fim-de-semana.

A fábrica da Sapa é uma viagem aos sabores e às origens deste fantástico bolo, e a vista é de cortar a respiração.

Quando era pequeno, um amigo do Verão era a Bola de Berlim, não havia bolo melhor para se comer na praia - agora, com a idade e ponderação no palato, descobri umas que verdadeiramente me fascinam: são as da pastelaria Natário, em Viana do Castelo.

Estão longe, mas sabem mesmo bem!

No Porto, na pastelaria dos Clérigos, também há umas que aprecio muito. Já em Lisboa, são as da Confeitaria Nacional que me obrigam a fazer um desvio.

Agora falando num dos mais emblemáticos embaixadores de Portugal, o Pastel de Nata.

Aqui vou ter de falar daqueles que mais aprecio, que são, em Lisboa, os da Cristal na Lapa, os do Hotel Altis na Castilho, Hotel Ritz no Marquês, Chique em Belém, no Estoril no Hotel Palácio e em Sintra no Gregório.

Almofada, Bispo, Bola de Berlim, Bolo de Arroz, Bom Bocado, Broa de Mel, Caracol, Croissant, Delícia Folhada, Duchesse, Éclair, Ferradura, Guardanapo, Jesuíta, Madalena, Mil Folhas, Mimo de Côco, Noz, Palmier, Pastel de Feijão, Pastel de Nata, Queque, Quindim, Rim, Sabóia, Sogra, Tigelada, Torta, Trança, Travesseiro e muitos mais, são nomes que não podem ficar esquecidos no passado.

Aproveite a chuva para viajar pela pastelaria portuguesa e, para a semana, prometo voltar ao assunto, através da voz dos pasteleiros.

Finalizo com um livro diferente e muito interessante: "Portugal Revisitado". O chef argentino Chakall desde há uns tempos que anda a visitar o nosso país de norte a sul, procurando os sabores, ingredientes e receituários locais.

A ideia foi fugir ao circuito dos restaurantes e focalizar-se nos saberes populares, resultando num livro cheio de saber e sabor.

Podemos encontrá-lo em todas as livrarias do país e também pode ser adquirido através do site http://www.mediabooks.com/. Preço: €21,90.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 10 de Dezembro de 2010

6 comentários:

Joana Gonçalves Junqueira disse...

Vicente, sugiro-lhe uma visita pela oficina de chocolate De Negro, em Telheiras do Chef António Marques, actualmente à frente de toda a pastelaria da Bica do Sapato e que esteve antes vário anos na Fortaleza do Guincho.DÁ aulas na EHTL e é Embaixador Callebaut.
Uma vez que é luso-francês (filho de emigrantes) aprendeu com os mestres da pastelaria e confeitaria, os franceses.
É um grande pasteleiro. Acredite.
Abraço!

http://www.denegro.pt/

Santos Costa disse...

Esqueceu-se das pirâmides, bolo fascínio da minha infância.

EuSouGourmet disse...

Olá Santos Costa, realmente foi um lapso as pirâmides, mas eram tantos!
Olá Joana, já conheço o António é um grande pasteleiro!
Realmente nem sabia que ele estava na Bica do Sapato.
Obrigado pelas sugestões e comentários

Anónimo disse...

atenção ao preço médio

Anónimo disse...

atenção ao preço médio

EuSouGourmet disse...

Olá Anónimo, realmente não percebo o que pretende dizer?
Está a comentar o preço médio de que sitio?
Obrigado
Vicente